Academia Mato-Grossense de Ciências Contábeis

DISCURSO DO PRESIDENTE DA AMACIC

Rogamos ao Senhor Deus para nos abençoar, nos dar sabedoria e muita luz para gerir os destinos da Academia Mato-grossense de Ciências Contábeis, também denominada AMACIC, pois esta sigla nos conduz a trilhar veredas juntamente com quem “AMA as CIências Contábeis”.

Como disse anteriormente: uma nova página se abre para a História da Contabilidade em Mato Grosso.

A logomarca tem o círculo a representar a eternidade para a nossa AMACIC.

Os ramos de louro são consagrados à vitória. Formam uma coroa e expressam a identificação progressiva do lutador com os motivos e finalidades de sua vitória.

Sob o aspecto da multiplicidade  e representando palavras como educar, instruir, pesquisar, professor dentre outras são as estrelas.

Sua fundação foi no ano de 2015, a 30 de outubro.

A parte central traz o caduceu, o símbolo do equilíbrio moral e da boa conduta dos profissionais das Ciências Contábeis: as serpentes representam a sabedoria; o bastão, o poder; o elmo é emblemático de pensamentos elevados; as assas são a diligência acadêmica.

Conquanto um de nossos objetivos estatutários seja preservar a história da Contabilidade em Mato Grosso, fomos buscar nos pioneiros, quer tenham sido guarda-livros, peritos-contadores, técnicos em contabilidade provisionados, técnicos em contabilidade, contadores provisionados ou contadores para compor a galeria dos Imortais da Academia.

Eles foram Presidentes ou Conselheiros do Conselho Regional de Contabilidade de Mato Grosso, Dirigentes ou Membros do Sindicato dos Guarda-livros e Contadores de Mato Grosso ou do Sindicato dos Contabilistas de Cuiabá e do Sindicato dos Profissionais da Contabilidade de Mato Grosso, e, ainda, do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis de Mato Grosso; destacaram-se como Funcionários Públicos Municipais, Estaduais ou Federais, Políticos, Empresários da Contabilidade, Autônomos e, principalmente, Professores.

Reverenciamos, assim, as memórias desses personagens tendo os nomes imortalizados nas Ciências Contábeis em Mato Grosso, na qualidade de Patronos, compondo a Cadeira nº 21 – Estevão Torquato da Silva; nº 25 – Massami Uriu; nº 26 – Austeclinio Baptista; nº 38 – Raulindo Vitor de Oliveira; nº 39 – Gilberto Haueisen; nº 40 – José Olivio Rosa.

Suas histórias de vida, alicerçadas em estudos contábeis fundamentais, formam um resgate valioso de exemplos a serem seguidos por nós e pelos profissionais da contabilidade do futuro; no conjunto uma Enciclopédia Ilustrada das Ciências Contábeis em Mato Grosso.

Hoje é uma data para agradecermos: portanto, a nossa gratidão aos Patronos constantes das cadeiras já existentes e aos Patronos hoje nominados, pessoas a enriquecer a História da Contabilidade em Mato Grosso.

Coube a mim, Ivan Echeverria, eleito na Assembleia de Fundação, presidir esta novel associação da laboriosa classe contábil mato-grossense. Digo-vos é uma honra, mas também um grande desafio em assumir tão elevado cargo neste sodalício, nesta Academia Mato-grossense de Ciências Contábeis, a AMACIC.

Contudo, a minha gratidão.

E, para vencer essa laboriosa e difícil missão conto, com certeza, com o integral apoio dos membros da nossa primeira Diretoria, dos Acadêmicos, já empossados e os que ora tomaram posse, numa equipe coesa e harmônica para atuar na missão a nós conferida.

Posso dizer: doo-me para atingir os objetivos colimados e, para encerrar, parafraseio e ressalto a parte final do discurso do Doutor António Manuel Seixas Sampaio da Nóvoa, professor catedrático do Instituto de Educação e Reitor da Universidade de Lisboa, Portugal, na aula magna da Universidade de Brasília, o qual em suas últimas palavras se reporta a São Tomás de Aquino.

Ele disse. Se me derem mais dois minutos explico-vos o quero dizer com a palavra gratidão: vinha-se à cabeça querer agradecer aos colegas brasileiros por tudo a mim dado e tem sido muito. De minha parte, agradeço aos colegas da profissão contábil.

O professor Nóvoa, repetindo, continua: vinha-me à cabeça o tratado de gratidão de São Tomás de Aquino, o qual tem três níveis: um superficial, um intermediário e um mais profundo.

O nível mais superficial é o do reconhecimento intelectual, o cerebral, o cognitivo do reconhecimento; o segundo nível é o do agradecimento, do dar graças a alguém por aquilo feito por nós; e o terceiro nível mais profundo do agradecimento, é o do vínculo, é o do sentirmos vinculados e comprometidos com essas pessoas.

E, de repente, descobri uma coisa na qual eu nunca tinha pensado: em inglês ou em alemão se agradece no nível mais superficial da gratidão. Quando se diz “thank you” ou quando se diz “zu danken” estamos a agradecer no plano intelectual.

Na maior parte das outras línguas europeias quando se agradece, é no nível intermediário de gratidão. Quando se diz “merci” em francês quer dizer dar uma mercê, dar uma graça. Eu dou-lhe uma mercê, estou-lhe grato, dou-lhe uma mercê por aquilo a mim trazido, por aquilo a mim dado. Ou “gracias” em espanhol ou “grazie” em italiano. Dou-lhe uma graça por aquilo a mim dado e nesse sentido eu lhe agradeço, nesse sentido lhe sou grato.

Somente em português eu conheço e sei, tenho absoluta certeza, se agradece com o terceiro nível, o mais profundo do tratado de gratidão. Nós dizemos “obrigado”. E obrigado quer dizer isso mesmo: fico-vos obrigado. Fico obrigado perante vós. Fico vinculado perante vós. Fico-vos comprometido a um diálogo, agradecendo-vos o vosso convite, agradecendo-vos a vossa atenção. Fico obrigado, vinculado a continuar este diálogo e a poder contribuir, na medida das minhas possibilidades para vossos projetos, para vossos trabalhos, para as vossas reflexões, para o vosso diálogo.

Finalmente, nesse diálogo quero e é nesse preciso sentido eu vos digo e ratifico: em conduzir os destinos da nossa Academia Mato-Grossense de Ciências Contábeis, sinto-me MUITO OBRIGADO.

Acadêmico Ivan Echeverria

Presidente da AMACIC