Academia Mato-Grossense de Ciências Contábeis

Saudação aos membros da mesa, na pessoa do Sr. IVAN ECHEVERRIA, MD presidente da AMACIC;

Saudação aos Acadêmicos empossados em assembleias anteriores em nome de SOFIA INES NIVEIROS;

Saudação aos acadêmicos que assumem hoje;

Aos familiares a amigos

 

Senhoras e Senhores:

 

Estamos reunidos para mais uma assembleia da  AMACIC –  Academia Mato-Grossense de Ciências Contábeis –  que nasceu no seio do CRCMT, em setembro de 2015, considerando a necessidade de fomento para a Classe Contábil Mato-Grossense, especialmente pela Educação Profissional Continuada, instituída pelo CFC.

O quadro social da AMACIC reúne nomes de profissionais da contabilidade convidados levando em consideração suas atuações, quer como Professores (como é o meu caso), quer como atuantes na área contábil (empresarial ou pública), residentes na capital e no interior do Estado, na busca constante do cumprimento fiel da legislação pertinente, da promoção do conhecimento e do desenvolvimento da classe contábil do nosso querido Mato Grosso.

AMACIC foi a sigla definida para evidenciar a Academia Mato-Grossense de Ciências Contábeis, numa apologia a quem “Ama as Ciências Contábeis” e com certeza, quem está aqui, tem amor pela profissão.

Vivemos um momento de grande expectativa com nosso Brasil. No próximo ano assume um novo governo com promessa de novos e bons tempos. Que não nos falte trabalho, pois isso significa empresas fortes e consolidadas e com elas emprego, renda, prosperidade. Isso tudo depende, em grande parte, de nós. Trago um excerto de poema da minha terra natal que diz:

 

“Pátria, Querência e Nação-

Trindade que hoje revivo

E essa Pátria quem governa

É a força das minhas pernas

E a bota firme no estrivo”. (1)

 

Isso mesmo, quem governa, ou pelo menos deveria governar a Pátria, somos nós mesmos, o povo que a torna uma nação. Um antigo adágio popular diz que cada povo tem o governo que merece. Nós merecemos então bons governos. Por isso devemos estar vigilantes às boas práticas, a boa governança, elogiando quando merecido e criticando quando necessário. Não nos cabe mais a passividade.

As modernas tecnologias, e não a vontade de governantes, tem nos permitido acompanhar mais amiúde a atuação do ente público e também do ente privado. Não seremos os “fiscais do Sarney”, seremos fiscais de nós mesmos e de nossas instituições, papel muitas vezes não cumprido por quem deveria fazê-lo. E nós, profissionais da contabilidade, temos todas as condições para exercer esse papel.

Por fim, quero prestar uma justa homenagem aos patronos. Em nome do meu Patrono, Contador Isahiro Kida, homeageio a todos os patronos e patronas das cadeiras da AMACIC, cuja vida foi dedicada à contabilidade. Partiram deste mundo deixando um vazio. Imperfeitos, por certo, como todos nós somos. Mas contribuiram para o engrandecimento de nossa classe e foram lembrados por isso. Recorro novamente ao poeta gaúcho:

 

“Dizem que a morte é o nada

-Mas pode ser nada a vida-

se não se encontrar sentido

entre a chegada e a partida.”(2)

 

Não permitamos que nossa vida seja um vazio. Que o espaço entre a estrela que marca nosso nascimento e a cruz que marca nossa partida, seja preenchido com boas ações. Sejamos solidários, justos, honestos e competentes. Só assim contribuiremos com a construção de um País e um mundo melhor para todos.

 

Muito obrigado!

 

 

  • Excerto do poema “Prá quem faz pátria num basto” de Gujo Teixeira
  • Excerto do poema “Metamorfose” de Colmar Duarte;